ARTIGO

Olá Humanos, a depressão não é frescura, é uma doença! 

 

Tem que ser encarada com naturalidade, sem preconceito, com aceitação e com muita atenção. Infelizmente grande parte da sociedade lida com a depressão de forma preconceituosa e não dá a devida importância e atenção para essa doença complexa, que pode levar a sérias consequências tanto para o Humano como para todos ao seu redor.

Como eu fui diagnosticado com depressão e já passei por poucas e boas com essa doença  – além de ter tido dois casos de suicídio em minha família, tenho como missão de vida alertar aos Humanos sobre os perigos desta doença.

Escrevi esse texto pra ajudar você que está passando por dificuldades e ainda não encontrou um caminho, quero que saiba antes de tudo que É POSSÍVEL CONVIVER COM A DEPRESSÃO E TER QUALIDADE DE VIDA.

Para que você possa compreender melhor a depressão e como funciona o processo de tratamento e saiba que o primeiro passo é identificar os níveis dela.

A minha história

Descobri que tinha depressão quando realizei um trabalho para o Instituto de Psiquiatria (IPQ), e percebi que o que eu sentia se encaixava perfeitamente no que o líder do IPQ: Dr. Wagner Gattaz explicava com relação a depressão, dos sintomas físicos aos psíquicos.

A partir deste entendimento, compreendi que a depressão é como uma ferida invisível. Quando as pessoas veem uma ferida exposta elas normalmente se sensibilizam com a dor aparente, mas como a depressão muitas vezes é imperceptível aos olhos, poucas pessoas dão a devida atenção ao seu estado. Muito pelo contrário, as pessoas julgam apenas a sua falta de vontade de viver, e isso gera um ciclo ainda mais complexo para o doente. As pessoas não acreditam, a não ser que você pareça agudamente deprimido, exemplo: isolado do mundo num quarto escuro, sem se alimentar, etc.


Felizmente após uma crise depressiva que tive - iniciada no Metrô de SP, decidi buscar ajuda, e hoje eu levo uma vida feliz...

Minha vida é maravilhosa? Tem dias que sim, tem dias que não... como todo Humano que tem uma vida saudável e equilibrada.

Eu visitei o mais profundo fundo do poço, e a sorte é que eu desisti de viver “de mal com a vida” e insisti em volta a ser feliz.

Os 3 níveis da Depressão

Quero deixar claro que de maneira alguma o que escrevo abaixo tem a intenção de ser um tratado científico sobre a doença, mesmo porque não sou psiquiatra, psicólogo e nem profissional da saúde. Sou um comunicólogo, com espírito de pesquisador, que ama compreender as informações e torná-las mais fáceis para o entendimento das pessoas.  

Há alguns anos me aprofundo em estudos sobre a depressão, lendo diversos livros a respeito, conversando com pessoas e buscando orientação com especialistas. Com este propósito, já realizei mais de 40 entrevistas, com excelentes profissionais, de diversas áreas, dentre elas destaco: médicos, psiquiatras, psicólogos, profissionais da área de saúde, RH, etc.

E baseado nesta experiencia é que apresento abaixo os principais sintomas físicos e psíquicos (extraídos de um estudo do IPQ) divididos em três níveis para que você Humano possa tomar conhecimento.

Ressalto que a depressão é um processo individual e absolutamente particular, portanto os sintomas que eu sinto, podem ser diferentes dos que você sente, entende?

Somente um especialista poderá dizer diagnostica-lo, indicar tratamento baseado em qual “faixa” você poderá se encontrar.

Preparado?

 

Bora lá:

 

1- Nível leve

você poderá sentir: dificuldade para dormir ou dormir demais; diminuição da libido; sentir que as coisas que te faziam feliz e te davam prazer já não dão mais; angústia; baixa concentração e dificuldade para tomar decisões.

 

2- Nível intermediário

você poderá sentir: Perda da capacidade de alegrar-se; se sentir anestesiado; irritabilidade; medo e ansiedade; Pânico ou Fobia; choro fácil; baixa autoestima; sentir dores pelo corpo; piora matinal – dificuldade para sair da cama; esgotamento físico.

3- Nível severo

Você poderá sentir todos os elementos acima e mais: isolamento (que te levará a perda de amigos, trabalho, relacionamento amoroso e alguns familiares); pensamentos suicidas e a perda da esperança na vida.

 

Beleza, ai você me pergunta: quando eu devo procurar ajuda?

Olha Humano, os especialistas dizem que se você sente 5 ou mais destes sintomas durante mais de 2 semanas, por favor busque agora mesmo ajuda especializada, que neste caso estou falando em psicologo ou psiquiatra.

Qual é o caminho de volta para a felicidade?

Cada um tem o seu caminho, mas devemos buscar a ajuda de pessoas que entendem do assunto.

Identificar é só o começo… fazer o tratamento é necessário, conviver com a Depressão e ser feliz é possível, mas é um processo.

Felizmente, em muitos casos, como o meu, é totalmente possível tratar a depressão. Pode ser que seja demorado, mas isto não pode tirar a esperança de quem sofre com esta doença, pois existem especialistas que poderão apresentar bons tratamentos e com isso nós Humanos obteremos excelentes resultados a curto, médio e longo prazo.

Não importa o tempo que precisará investir para se recuperar. É essencial ter em mente que uma vida com sentido vale muito mais do que tudo e você vai encontrar o seu caminho para a felicidade com a ajuda de pessoas que conhecem bem a doença que você tem.

Eu passei por esse caminho, reassumi o controle da minha vida e hoje minha missão é ajudar humanos que também estão perdidos nessa jornada a encontrarem seu caminho e ter um dia a dia saudável e cheio de vida. Além das “paliestras” e apresentações que faço por diversas localidade do Brasil, documentei a minha experiência no livro: DEPRESSÃO NÃO É FRESCURA! para que essa mensagem chegue ao máximo de pessoas possível.

Se ninguém ao seu redor entende o processo da depressão e como lidar com isso, eu vou deixar ele aqui pra você dar uma olhadinha GRATUITAMENTE


Isso mesmo!

 

Disponibilizo abaixo o livro em formato digital (de forma gratuita!) e se quiser receber a versão impressa e com autografo é só cliclar no botão comprar.


Faz parte da minha missão de vida ajudar o máximo de pessoas possível, e se você tem interesse em saber como foi o meu processo de ida ao fundo do poço e principalmente o de retorno à superfície, leia o livro ou indique pra alguém, é só clicar e acessa-lo

O AUTOR

•Nascido em 1979, aos trinta anos soube que tinha depressão através de um trabalho realizado para o IPQ (Instituto de Psiquiatria). Formado em Comunicação Social, viveu em Portugal durante quatro anos e retornou ao Brasil em 2008.

•Após realizar tratamentos, consegue superar a depressão no dia a dia através do universo do palhaço.

•Fundou o Instituto Gente Feliz, que tem como missão apresentar conteúdo de desenvolvimento humano e apresenta-lo de forma lúdica.

•Realiza paliestras (termo que deriva da palestra do palhaço) em associações, ONGs, empresas, escolas, clínicas de reabilitação para dependentes químicos, presídios, hospitais psiquiátricos. Além das paliestras, se dedica a Clownterapia, dinâmica em grupo que visa proporcionar aos participantes uma experiência de integração e sensibilização para o reencontro com a alegria através de exercícios do universo do teatro e do palhaço.

•Autor do livro Depressão não é frescura!